CAT apresenta projeto para comitiva da Noruega que quer investir em Mato Grosso

Representantes do governo norueguês estiveram em Mato Grosso para conhecer o trabalho desenvolvido pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) e instituições do setor público e privado que possam ser parceiros de um programa que alia crescimento econômico com sustentabilidade.

Na visita técnica a comitiva mostrou interesse em firmar parceria com o Governo de Mato Grosso na implementação do programa Produzir, Conservar e Incluir (PCI). A proposta do Governo da Noruega é apoiar o Estado na concretização das metas ambiciosas que visam eliminar o desmatamento ilegal até 2020 e criar um novo modelo de desenvolvimento econômico sustentável para o Estado nos próximos 15 anos.

A representante do Ministério do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Lívia Costa Kramer, frisou durante a reunião que Mato Grosso (no Brasil), Indonésia e Libéria foram selecionados como os três pontos pioneiros no mundo onde a Noruega apoiará programas pilotos de economia sustentável. O objetivo é mostrar que é possível aliar negócios, geração de renda e empregos e ao mesmo tempo proteger a biodiversidade e as florestas. “Queremos que o Estado de vocês seja um exemplo de que é possível o crescimento econômico caminhar junto com a proteção ambiental”.

O Clube Amigos da Terra, CAT Sorriso, foi convidado para apresentar o projeto “Gente que Produz e Preserva”. A diretoria de sustentabilidade, Cynthia Moleta Cominesi, mostrou ao grupo norueguês o trabalho desenvolvido com produtores rurais de Sorriso, no norte do estado, que alia produção de grãos e preservação do meio ambiente. “O nosso projeto tem mostrado que com boas práticas agrícolas é possível produzir e preservar a biodiversidade”, afirmou a diretora.

O Projeto “Gente que Produz e Preserva” tem o apoio do IDH, um Instituto público-privado de origem Holandesa, que investe em projetos brasileiros e que agora também integra a lista de apoiadores do programa PCI. Para Daniela Maiuzzo, representante do IDH, Mato Grosso foi escolhido justamente por estar neste momento com um ambiente interno favorável para os investimentos, e que consiste na parceria entre os diversos seguimentos, poder público, setor produtivo e empresarial e a sociedade civil organizada. “A atuação do Estado na COP 21 de Paris chamou a atenção dos investidores mundiais, que estão realmente interessados em apoiar o programa apresentado”.

Em dezembro de 2015, o governador Pedro Taques e a secretária de Meio Ambiente, Ana Luiza Peterlini, participaram da 21ª Conferência do Clima (COP 21) em Paris. Na ocasião, Mato Grosso se comprometeu em reduzir o desmatamento ilegal a zero até o ano de 2020. O Estado também prometeu realizar ações para conter o aquecimento global. No encontro, Taques defendeu compensação financeira pelos esforços ambientais de Mato Grosso e que essas políticas sejam concretizadas com maior eficiência. Para conseguir alcançar a meta de conciliar desenvolvimento econômico e preservação ambiental, o Estado prevê investimentos de R$ 39 bilhões para os próximos 15 anos.

Conforme a secretária Ana Luiza Peterlini, neste momento o diálogo se concentrou em questões mais técnicas sobre a implantação de programas como o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e o Programa de Regularização Ambiental (PRA), além disso, tratou das formas mais eficientes de conter o desmatamento ilegal que teve um aumento no último ano. “Esta também foi uma oportunidade importante para a equipe norueguesa conhecer melhor a equipe técnica da Sema, tirar dúvidas e se certificar sobre a seriedade do trabalho do atual governo”.

Também participaram da reunião com a comitiva da Noruega a secretária adjunta de Gestão Ambiental, Elaine Corsini, a representante do Ministério do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Marianne Johansen, e a representante da Embaixada da Noruega no Brasil, Anahita Yousefi.

Rolar para cima
×
%d blogueiros gostam disto: