“Gente que Produz e Preserva” recebe certificação RTRS

Após dois anos de criação, engajando sojicultores de Sorriso, o projeto “Gente que Produz e Preserva (GPP)” concluiu sua primeira fase com a conquista da certificação RTRS para o grupo de produtores participantes em um total de 21 mil hectares.

Essa parceria entre o WWF-Brasil, o CAT (Clube Amigos da Terra), o grupo Bel, IDH (The Sustainable Trade Initiative), Solidaridad e o Instituto Centro de Vida (ICV) teve início em outubro de 2013, e desde então vem promovendo ações para implantação dos princípios e critérios da RTRS (Mesa Redonda da Soja Responsável, em inglês).

Sorriso é o maior produtor mundial de soja e pela primeira vez uma propriedade rural do município recebe essa certificação. E isso graças ao comprometimento dos produtores e a credibilidade que conquistamos junto a eles”, comemora Cynthia Cominesi, coordenadora do projeto.

Nesta primeira fase foram certificadas nove fazendas. A auditoria do grupo GPP foi realizada no final de julho. A avaliação foi sob cinco aspectos da certificadora como: cumprimento legal e boas práticas empresariais; condições de trabalho responsáveis; relações comunitárias responsáveis; responsabilidade ambiental; e práticas agrícolas adequadas.

Nessa primeira faze do projeto, oferecemos aos produtores um diagnóstico completo sobre a situação de sua fazenda com relação ao novo código florestal, questões trabalhistas, manejo de insumos, etc. E, desde então, essas fazendas passaram por um processo de adequação aos padrões da RTRS”, explica Cominesi.

Para o coordenador do programa Agricultura e Meio Ambiente do WWF-Brasil, Edegar Rosa, uma vez que essas adequações são realizadas, o produtor consegue ter uma visão panorâmica do seu negócio e assim, melhorar a sua gestão diminuindo os riscos de sua produção em diversos aspectos. Pois, é levado em consideração o aspecto produtivo, mas também o legal, ambiental e social. “Para o alto nível da produção de soja em Sorriso, o maior desafio está na gestão da propriedade. E com esse projeto, nós observamos que o padrão RTRS funciona como uma ferramenta de gestão eficaz para os produtores”, conclui Edegar.

Próximos passos

Para os produtores do projeto que já estão certificados o trabalho não para. Eles irão trabalhar na manutenção destes princípios que já foram adequados e na implementação dos critérios necessários para o segundo ano da auditoria.

Enquanto isso, o GPP segue expandindo suas atividades com soja e envolvendo novos produtores de Sorriso. “O objetivo do WWF-Brasil é que esse projeto se torne uma vitrine de adoção de boas práticas agrícolas no centro do agronegócio brasileiro e que isso ganhe escala. E o cenário é positivo, pois, estamos ampliando o projeto para mais 60 mil hectares no próximo ano”, explica Edegar.

Rolar para cima
×
%d blogueiros gostam disto: